Business-to-Consumer (B2C)

Home » BR » O que é...? » Business-to-Consumer (B2C)


O que é o Business-to-Consumer (B2C)?

O termo business-to-consumer (B2C) refere-se ao processo de venda de produtos e serviços directamente entre uma empresa e os consumidores que são os utilizadores finais dos seus produtos ou serviços. A maioria das empresas que vendem directamente aos consumidores podem ser referidas como empresas B2C.

O B2C tornou-se imensamente popular durante o boom do dotcom no final dos anos 90, quando era usado principalmente para se referir aos retalhistas online que vendiam produtos e serviços aos consumidores através da Internet.

Como modelo de negócio, business-to-consumer difere significativamente do modelo business-to-business, que se refere ao comércio entre duas ou mais empresas.

Pontos Chave

  • Business-to-consumer refere-se ao processo das empresas que vendem produtos e serviços directamente aos consumidores, sem intermediário.

  • B2C é tipicamente usado para se referir aos varejistas online que vendem produtos e serviços aos consumidores através da Internet.

  • B2C online tornou-se uma ameaça para os varejistas tradicionais, que lucraram com a adição de uma margem de lucro ao preço.

  • No entanto, empresas como a Amazon, eBay, e Priceline prosperaram, acabando por se tornar disruptores da indústria.

Entendendo o Business-to-Consumer

Business-to-consumer (B2C) está entre os modelos mais populares e amplamente conhecidos de vendas. A ideia do B2C foi utilizada pela primeira vez por Michael Aldrich em 1979, que usou a televisão como meio principal para chegar aos consumidores.

B2C tradicionalmente se referia às compras no shopping, comidas em restaurantes, filmes pay-per-view e infomercials. Contudo, a ascensão da Internet criou um novo canal de negócios B2C na forma de e-commerce, ou vender bens e serviços através da Internet.

Apesar de muitas empresas B2C terem sido vítimas da subsequente falência das empresas ponto-com, à medida que o interesse dos investidores no sector diminuiu e o financiamento de capital de risco secou, líderes B2C como a Amazon e a Priceline sobreviveram ao abalo e, desde então, têm visto grande sucesso.

Qualquer negócio que confie nas vendas B2C deve manter boas relações com os seus customers para garantir o seu regresso. Ao contrário do business-to-business (B2B), cujas campanhas de marketing são orientadas para demonstrar o valor de um produto ou serviço, as empresas que confiam no B2C devem suscitar uma resposta emocional ao seu marketing nos seus clientes.

B2C Storefronts Vs. Internet Retailers

Tradicionalmente, muitos fabricantes vendiam os seus produtos a retalhistas com localização física. Os retalhistas obtinham lucros com a margem de lucro que adicionavam ao preço pago ao fabricante. Mas isso mudou quando chegou o Internet. Surgem novos negócios que prometem vender directamente ao consumer, cortando assim o intermediário—o retalhista—e baixando os preços. Durante o busto do boom dotcom nos anos 90, as empresas lutaram para assegurar uma presença na web. Muitos retalhistas foram obrigados a fechar as suas portas e saíram do negócio.

Décadas após a revolução dotcom, as empresas B2C com presença na web continuam a dominar os seus concorrentes tradicionais de tijolo e cimento. Empresas como a Amazon, Priceline e eBay são sobreviventes do boom inicial das dotcom. Elas continuaram a expandir seu sucesso inicial para se tornarem disruptores da indústria.

Online B2C pode ser decomposto em 5 categorias: vendedores directos, intermediários online, B2C baseado em publicidade, baseado na comunidade, e baseado em taxas.

B2C no Mundo Digital

Existem tipicamente cinco tipos de modelos de negócios B2C online que a maioria das empresas utiliza online para atingir os consumidores.

1. Vendedores directos. Este é o modelo mais comum, no qual as pessoas compram mercadorias de varejistas online. Estes podem incluir manufacturers ou pequenas empresas, ou simplesmente versões online de lojas de departamento que vendem produtos de diferentes fabricantes.

2. Intermediários online. Essas são ligações ou intermediários que não’não possuem realmente produtos ou serviços que reúnam compradores e vendedores. Sites como Expedia, Trivago, e Etsy se enquadram nesta categoria.

3. B2C baseado em publicidade. Este modelo usa conteúdo gratuito para levar os visitantes a um site. Esses visitantes, por sua vez, se deparam com anúncios digitais ou online. Basicamente, grandes volumes de tráfego web são usados para vender publicidade, que vende bens e serviços. Sites de mídia como o Huffington Post, um site de alto tráfego que se mistura em publicidade com seu conteúdo nativo é um exemplo.

4. Baseado na comunidade. Sites como o Facebook, que constrói comunidades online baseadas em interesses compartilhados, ajudam os marqueteiros e anunciantes a promover seus produtos diretamente aos consumidores. Os sites terão como alvo anúncios baseados em usuários’ demográficos e localização geográfica.

5. Baseado nas taxas. Sites direcionados ao consumidor como Netflix cobram uma taxa para que os consumidores possam acessar seu conteúdo. O site também pode oferecer conteúdo gratuito, mas limitado, enquanto cobra pela maior parte dele. O New York Times e outros grandes jornais utilizam frequentemente um modelo de negócio B2C baseado em taxas.

Empresas B2C e Celulares

Décadas após o boom do comércio electrónico, as empresas B2C continuam a olhar para um mercado em crescimento: as compras móveis. Com smartphone aplicativos e tráfego crescendo ano após ano, as empresas B2C estão mudando a atenção para os usuários móveis e capitalizando sobre esta tecnologia popular.

Ao longo dos primeiros anos de 2010, as empresas B2C apressaram-se a desenvolver aplicações móveis, tal como aconteceu com os websites décadas antes. Em suma, o sucesso em um modelo B2C está baseado na contínua evolução com os apetites, as opiniões, as tendências e os desejos dos consumidores.

Por causa da natureza das compras e das relações entre as empresas, As vendas no modelo B2B podem demorar mais tempo do que as vendas no modelo B2C.

B2C Vs. Business-to-Business (B2B)

Como mencionado acima, o modelo business-to-consumer difere do modelo business-to-business (B2B). Enquanto os consumidores compram produtos para seu uso pessoal, as empresas compram produtos para usar para suas empresas. Grandes compras, tais como equipamentos de capital, geralmente requerem a aprovação daqueles que dirigem uma empresa. Isto torna um negócio' o poder de compra muito mais complexo do que o do consumidor médio.

Ao contrário do modelo de negócio B2C, as estruturas de preços tendem a ser diferentes no modelo B2B. Com B2C, os consumidores muitas vezes pagam o mesmo preço pelos mesmos produtos. No entanto, os preços não são necessariamente os mesmos. Na verdade, as empresas tendem a negociar preços e condições de pagamento.